19 de fevereiro de 2019 - 07:35

Política

14/02/2019 08:37

Emanuel nega atraso aos filantrópicos e cobra R$ 150 mi do Estado

Prefeito afirmou ainda que Cuiabá "carrega Saúde do Estado nas costas"

LARISSA MALHEIROS *

Ao se defender da denúncia de que não repassa recursos do Fundo Estadual de Estabilização Fiscal (FEF aos hospitais filantrópicos, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), lembra que Governo deve cerca de R$ 150 milhões ao município. O gesto colocou ainda que a capital “carrega a saúde do estado nas costas”.

A declaração do prefeito acontece após alguns vereadores apontarem que filantrópicos não recebem FEF e as unidades padecem em busca de recursos. No entanto, Emanuel esclarece que acusações são infundadas, sem provas, e destaca que mantém repasses regulares mesmo com divida do executivo estadual.

“Denúncia tem que ser seguida de provas. O que é dos filantrópicos fica nos filantrópicos. A única coisa que exijo é a prestação de contas daquele recurso que vai entrar e isso a filantrópica fazendo ela recebe”, disse o prefeito em entrevista a Rádio Vila Real, nesta quarta-feira (13).

Emanuel comenta sobre recursos de emenda parlamentar no valor de R$ 82 milhões do qual Governo usou para pagar atrasos de repasses aos hospitais regionais e não devolveu ao município. O valor era destinado para comprar equipamentos para o novo Pronto-Socorro de Cuiabá. 

“Se computarmos os R$ 82 milhões dos equipamentos do novo Pronto-Socorro, daquela emenda parlamentar que era para o novo Pronto-Socorro e foi usado para os hospitais regionais e não foi repassada para Cuiabá, somados os repasses atrasados para saúde de Cuiabá, dá R$ 150 milhões de débito do Estado com Cuiabá”, destacou. 

Emanuel ainda lembrou que as unidades de saúde de Cuiabá vem “mantendo a Saúde do Estado”. Ele destacou que mais de 60% dos atendimentos dos pacientes SUS na Capital são de pacientes de interior do Estado. “Mesmo com esse montante atrasado, estamos atendendo a todos que procuram nossas unidades”, garantiu.

 

*Folhamax


Copyright  - MT HOJE  - Todos os direitos reservados